Resposta ao Bloqueio do WhatsApp

0

Enquanto assistia The Walking Dead jamais poderia imaginar que um apocalipse zumbi seria totalmente diferente daqueles monstros feridos e maltrapilhos. Os zumbis modernos são outros, todos bem vestidos, sempre sorridentes, mesmo que não estejam felizes.

Sua fome não é por carne humana, aliás, qualquer aproximação real com humano sequer é notada. Os zumbis modernos andarilhos e solitários se alimentam de selfies, anseiam curtidas, caçam compartilhamentos e tem sede de comentários.

Esta semana tentaram nos impor a cura. Por um momento passamos a andar de cabeça erguida, notamos uns aos outros, interagimos e até cogitamos encontros. Notei que as ruas estavam mais cheias, as salas de estar mais barulhentas, as famílias mais unidas, mas não durou muito.

O vírus que assola a sociedade contemporânea é letal e irreversível. Agora que nos apresentaram à internet será impossível nos curar deste mal. Estamos imersos, viciados e qualquer tentativa de nos tirar deste estado pode desencadear crises sérias de abstinência.

Não aceitaremos tratamento, mas se tentarem então que nosso remédio não seja em gotas e sim em Megabytes, altas doses. Para ter acesso a este medicamento seremos articulados, organizados, polêmicos, brigaremos, vamos às ruas e faremos barulho. Afinal nossa saúde mentalmente virtual é o que importa. E quando enfim chegarmos à overdose será o momento de lembrarmos o quão bom nós poderíamos ser se soubéssemos ser tão articulados socialmente quanto somos viciados pelo que é virtual.

Por: Raí Silva

Imagem: Google

Compartilhe.

Sobre o Autor