Cirurgia do ‘ouvido biônico’ é tema de curso na OSID

0

Com a participação de diversos especialistas, as Obras Sociais Irmã Dulce (OSID) vão realizar, de 19 a 21 de maio, o VII Curso de Implante Coclear. Voltado para médicos, fonoaudiólogos, psicólogos e assistentes sociais que trabalham com o implante, também conhecido como a cirurgia do “ouvido biônico”, o evento trará entre os temas as novas tecnologias da área; panorama atual da saúde auditiva no Brasil; direitos e deveres dos usuários de programas de saúde auditiva; aplicação da técnica em crianças e adultos e inserção educacional de pacientes com deficiência auditiva.

Promovido pela OSID em parceria com o Núcleo de Otorrinolaringologia da Bahia (Nooba), o curso – teórico e prático – será ministrado no auditório do Centro de Ensino e Pesquisa Professor Adib Jatene (CEPPAJ), localizado na sede da OSID (Avenida Bonfim, Largo de Roma). Mais informações sobre o curso e inscrições pelos telefones: (71) 98791-4858 ou 3310-1232.

Conhecido como cirurgia do “ouvido biônico”, o implante coclear compreende um avançado tratamento para pessoas portadoras de deficiência auditiva sensorioneural bilateral de grau severo e profundo.

O implante caracteriza-se como um dispositivo eletrônico que estimula diretamente as fibras remanescentes do nervo auditivo, possibilitando ao usuário a capacidade de perceber o som. Indicado para crianças a partir dos três meses de vida, adultos e idosos que não obtiveram benefícios com o uso de aparelhos auditivos convencionais, o procedimento configura-se em uma valiosa ferramenta na superação das limitações geradas com a perda da audição.

Referência – Um dos maiores e mais completos centros do Norte e Nordeste do país destinado ao tratamento de pacientes com deficiência auditiva, o Núcleo de Reabilitação Auditiva das Obras Sociais Irmã Dulce oferece à população, de forma gratuita através do Sistema Único de Saúde (SUS), serviços de alta complexidade, a exemplo do próprio Implante Coclear (IC).

A unidade conta com equipamentos modernos e contabiliza, desde a sua inauguração, em 2009, a realização de centenas de operações de IC em pacientes da Bahia e de outros estados, nas mais variadas faixas etárias, garantindo uma melhor qualidade de vida, além de maiores chances de superação das limitações que a deficiência auditiva pode trazer.

 

Compartilhe.

Sobre o Autor