Adoro meus amigos. Ahhh, amigos! Amigos?

0

Somos cercados de amigos, pessoas que escolhemos a dedo para está ao nosso lado, compartilhar nossos momentos de alegria e tristeza, pedi aconselhamento, torcer e chorar junto, naquele momento que ninguém mais entende, mas chega um momento que essa amizade não transparece sinceridade.
Impossível viver a vida apontando apenas os erros alheios somos seres humanos adotados de qualidades e defeitos que nos tornam capaz de cometer deslizes sem percebermos, caso contrário passaríamos a vida sozinhos, isolados com um vidinha mesquinha e sem graça.

Com o tempo passamos a perceber que convivemos com pessoas negativas, que roubam nosso brilho, tiram nossa luz, melhor dizendo, nos sufocam e por vezes na entendemos o que está acontecendo, por que estamos doentes, não conseguimos uma promoção no emprego, não dá certo em nossas vidas. E, quando menos percebemos lá está nosso “ahhh, amigo!”, sugando nosso brilho.

Quando temos um inimigo sabemos exatamente os cuidados a serem tomados, os velhos clichês de não o deixar ele saber dos seus planos na vida pessoal, amorosa e social. Esses inimigos nos fazem querer crescer cada vez mais, mostrar que podemos superá-los, que somos melhores, a disputa do ego, mas quando esse inimigo é um amigo tudo muda, ele fica disfarçado apenas minando nossas forças e por vezes torcendo contra a tudo que fazemos.

Amizade de verdade é aquela que te joga pra cima, que alimenta sua alma de boas energias, que te incentiva e também dá broncas na hora certa, resumindo é aquele que te faz feliz mesmo distante.
Temos algumas pessoas que estão tão presentes em nossas vidas que são quase da família, lembram do seu aniversário todos os anos, convida para festas, às vezes passa um final de semana inteiro contigo, mas não faz parte do seu ciclo, verdade. Companheiro de verdade é aquele que te joga pra cima!
Quantas vezes já saímos com aquele amigo super simpático, que sabe à hora de ouvir e sabe à hora de falar, o lugar é perfeito, a comida fantástica, a conversa flui, mas no final das contas você não está feliz. Quando volta pra casa percebe que tem um espaço vazio como se algo faltasse ser preenchido ou algo fosse levado de você. Ao chegar em casa o mal humor toma conta, dores de cabeça, sensação estranha, ruim.

O corpo fala e a alma sente se analisar por outro ângulo pode perceber atitudes desse nosso “amigo” de que ele não está contente com a sua felicidade, e isso pode ser involuntário.

Situações para ser pensadas:

Você resolve mudar de curso na faculdade por que não está feliz com o qual escolheu, comenta com seu parceiro que está em busca de outras áreas. De imediato ele tenta te convencer a permanecer infeliz por que você não vai ser capaz entender álgebras ao invés de literatura e te convence a permanecer estático, mas esse mesmo companheiro já mudou de curso umas 5 vezes por não está feliz.

Você conta para sua BFF (Best Friend Forever – Melhores amigas para sempre) que um rapaz está apaixonado por você, que mandou flores, bombons e outros mimos, a primeira coisa que ela faz é mandar você esquecê-lo por que ele é um cafajeste, é um doido que vai te fazer sofrer. Porém ela mesma acha o máximo receber flores e mimos de alguém quando se relaciona e gosta de contar para todos, para que saibam como ela é querida.

Você resolve dá uma modificada na sua vida, traçar planos mais ousados, ir em frente, como ter uma casa própria, tenta um intercâmbio ou algo semelhante, mas seu conselheiro está lá pedindo paciência, uma vitória de cada vez, enquanto ele trabalha, estuda, malha, faz curso de idiomas e ainda trabalha nos finais de semana para ter mais dinheiro e realizar o sonho da casa própria.

Em resumo, esse é o verdadeiro amigo camuflado, pode ser de propósito ou não, esse tipo de pessoa te faz sentir um nada, por que o brilho é apenas dele e de mais ninguém.

A verdadeira amizade te motiva sempre, mas também sabe dá broncas. Companheirismo verdadeiro é aquele que você senta ao lado da pessoa por um instante e sente uma bondade, uma energia positiva, serenidade, ela te ouve, te dá conselhos e ao ir embora você tem vontade de exercitar sua capacidade de poder realizar sempre mais, você admira e é admirado.

Depois de tudo isso e reflita quantos amigos temos de verdade? Será que aqueles companheiros são realmente amigos?

Compartilhe.

Sobre o Autor

Sou a garota publicitária, pisciniana, apaixonada pela vida, que tem um gosto dilacerado por seriados que é viciada em café quente. Sobre experiência de vida? Tenho várias... Na falta de amigos já conversei com o espelho, já quis ser astronauta, atriz, escritora, médica e advogada. Já roubei beijos e já confundi sentimentos. Peguei atalhos para chega mais cedo e me perdi no caminho. Já tentei esquecer algumas pessoas, mas descobri que essas são as mais difíceis de esquecer. Já chorei sentada atrás da porta do quarto, já fugi de casa pra sempre e voltei em poucos instantes, já fiquei sozinha na multidão. Já vi vários pôr-do-sol, mas sempre me deslumbro como se fosse o primeiro. Já senti medo do escuro, de fantasmas, das pessoas, já tremi de nervoso, já quase morri de amor, mas renasci novamente, já acordei no meio da noite e fiquei com medo de levantar. Já chorei por ver amigos partindo e fiquei feliz quando novos amigos chegaram. São tantos momentos guardados em álbuns de fotografia, quase que esquecidos no fundo da gaveta.